Câncer de colo uterino – novo padrão de tratamento

Outra novidade da ESMO desse ano foi no tratamento de câncer de colo uterino. O estudo Keynote-826 trouxe uma boa novidade para pacientes com câncer de colo uterino com doença persistente, recorrente ou metastática.

A adição da imunoterapia pembrolizumab (clique aqui) à quimioterapia padrão, com ou sem bevacizumab, redução em 1/3 do risco de progressão e morte pela doença. (HR 0.64 p<000.1). Como já mostrado em posts anteriores, a imunoterapia atua no tratamento hiper ativando o próprio sistema imunológico do indivíduo que encontra-se “adormecido” pelo câncer.

O tratamento foi eficaz em tumores expressores do ligante PDL-1 no tumor. Quanto mais altos os níveis da proteína, melhor o benefício. Em tumores sem expressão do PDL-1 não houve benefício.